segunda-feira, 5 de junho de 2017

I've been far away from my conscience...

Por mais que pareça dramático ou intenso demais, é bem simples. Tenho essa mania de me distanciar de tudo que tenta se aproximar, e por uma só razão...

É mais fácil sofrer sozinho. Ninguém vai tentar entender suas loucuras inexplicáveis ou sentir pena do seu sofrimento. Ninguém vai te perturbar quando não quiser ouvir nada além do silêncio. Nada, além das suas escolhas, vai ser mais um motivo para se preocupar.

Apesar de entender que muitas vezes(quase sempre) não é a melhor opção querer enfrentar tudo por conta própria, o peso das minhas escolhas e dores são responsabilidade minha. Não é egoísmo ou falta de inteligência, apenas uma preocupação a menos. Um problema a menos.

A ansiedade tem me consumido de todas as formas possíveis e imagináveis. Como se eu estivesse perdendo uma batalha para mim mesmo. Como se o tempo fosse meu inimigo. Mas, ainda assim, no meio de todo esse caos encontrei um pouco de paz. Um refúgio seguro e inabalável. Como uma casinha de tijolos. E tem sido não só o meu porto seguro, como também minha motivação para levantar todos os dias e continuar a frente dessa batalha.

Tem sido difícil, doloroso e até insustentável as vezes mas é o que é. Como dizem, a vida não é só feita de flores. Os espinhos cortam, furam e rasgam a sua pele para provar que estão ali. Mas cabe, exclusivamente, a você escolher o caminho que deve seguir perante as tuas dificuldades.

Por enquanto eu vou nadando em direção ao porto. Cada dia tem sido uma batalha com vários leões e cada mês uma guerra interminável. Mas tudo isso há de valer a pena em breve. E com essa certeza sigo vivendo, independente de vencer a batalha diária ou não, dia após dia, um dia de cada vez...

domingo, 14 de maio de 2017

Eu sinto tanto a sua falta que me pego imaginando o que você faria em determinadas situações. Brigo comigo mesmo por escolher algo que você não aprovaria. Sonho com reencontros e aproximações que nunca aconteceram e sempre acordo assustado, querendo que seja real...

Eu sinto tanto a sua falta que passo horas fazendo as coisas que mais te agradavam. Eu não sei porque, mas faço. E me pego olhando cartas antigas, emails esquecidos e fotos de anos atrás. Como se isso não bastasse, também perco meu tempo olhando coisas que só nós dois éramos idiotas(lê-se 'felizes') o bastante para tanto...

Eu sinto tanto a sua falta que te vejo pelos cantos, mesmo quando você não está. E consigo materializar a sua presença com a vividez de um sonho bom. Os cheiros, ah os cheiros... Esses são cruéis! Como quando você acordava com a carinha amassada e insistia em tentar me enganar para dormir mais um pouquinho. Eu não consigo descrever o cheiro, mas é o melhor que há de existir nesse mundo...

Eu sinto tanto a sua falta, que aprendi a não sentir mais. Não sei se foi por bem ou por mal. Mas não conseguia mais conciliar todas essas insanidades. Hoje me encontro ao ermo. Inconscientemente me escondo dos sentimentos que tentam florescer e com isso me encontro cada vez mais recluso em mim. Como uma viagem constante em seus próprios pensamentos. Tem servido pra interpretar melhor as minhas escolhas. Entender alguns porquês. Vislumbrar novos horizontes e definir as minhas rotas que, volta e meia, ainda insistem em me levar até você...